Pular para o conteúdo principal

A CABANA e os FALSOS MESTRES


   Enquanto escrevo estas linhas milhares de pessoas estão lotando salas de cinema em vários países e até mesmo no Brasil, para assistirem o Filme: A Cabana.  Dirigido por Stuart Hazeldine e adaptado do livro homônimo de 2007, escrito por William Paul Young, canadense, filho de missionários cristãos, teólogo formado em Religião no estado do Oregon, nos Estados Unidos. E, para mim, um dos FALSOS MESTRES de nosso tempo.
   Pois bem, este texto, assim como habitualmente o faço é fruto de uma conversa com um amigo que assistiu o referido filme, gostou, o recomendou a outros e me disse que soube reter o que era bom e descartar o que não valia a pena. Acredito e glorifico a Deus por tê-lo capacitado a ter esse nível de discernimento, contudo tenho o coração aflito, tanto pelo zelo que tenho a palavra de Deus, quanto pelas vidas que podem vir a se perder diante do engodo de uma estória emocionante.
   Segundo a sinopse oficial do filme a trama apresenta "um homem atormentado após perder a sua filha mais nova, cujo corpo nunca foi encontrado, mas sinais de que ela teria sido violentada e assassinada são encontrados em uma cabana nas montanhas. Anos depois da tragédia, ele recebe um chamado misterioso para retornar a esse local, onde ele vai receber uma lição de vida." Pois bem, não vi o filme (Nem vou ver!), mas li o livro há alguns anos atrás, e desde aquela época fiquei tão indignada que meu ímpeto na época foi o de escrever um livro "destruindo" a Cabana. Entenda, é um romance/drama muito bem redigido, mas que NUNCA, em hipótese alguma, pode ser considerado uma obra cristã e menos ainda como uma fonte de saber teológico cristão. Digo isso, não por acaso, mas por já ter visto e ouvido vários irmãos que creram estar diante de uma obra "inspirada" que lhes trouxe grande alento e que lhes "ensinou" muitas coisas. E é aí que mora o perigo, pois lhes afirmo que esta obra de ficção não tem NADA para ensinar sobre Deus e seus mistérios a um Cristão. NÃO É UM FILME CRISTÃO! Pelo contrário, assim como os falsos mestres do passado, este autor tão somente explora os anseios e carências da humanidade, como oferece aos leitores exatamente aquilo que eles querem ler. Entre outras coisas um Deus que se adéqua aos interesses do homem e não o contrário. E, para ilustrar isso, por favor me perdoem pelo spoiler. Mas, um dos detalhes que abomino nesta história é a forma como Deus se apresenta como Pai, Filho e Espírito Santo de forma carnal, perante o personagem principal. Entre os detalhes terríveis temos a personificação de  "Deus Pai" na forma de uma mulher. Não vou nem comentar sobre o Espírito Santo. Ainda assim, me permita citar um trecho bíblico: "(8) Disse Filipe: -- Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta. (9) Jesus respondeu:-- Você não me conhece, Filipe, mesmo depois de eu ter estado com vocês durante tanto tempo? Quem me vê, vê o Pai. Como você pode dizer: ‘Mostra-nos o Pai’?  (10) Você não crê que eu estou no Pai e que o Pai está em mim? As palavras que eu lhes digo não são apenas minhas. Ao contrário, o Pai, que vive em mim, está realizando a sua obra. (11) Creiam em mim quando digo que estou no Pai e que o Pai está em mim ou, pelo menos, creiam por causa das mesmas obras. (João 14:8-11)" Se você ainda não entendeu, eu explico: Jesus é Pai, Filho e Espírito Santo! Deus não vai se revelar a você numa forma humana, distinta da pessoa de Cristo. Ainda com o objetivo de ilustrar meus argumentos, me permita mais um pequeno spoiler. A personificação carnal da Sabedoria de Deus apresentada na forma de uma outra mulher. O que cria a presença de uma quarta pessoa na triunidade de Deus. 
   Não vou citar mais passagens da obra para não ser desagradável com ninguém, mas garanto que há inúmeras outras questões que tanto ferem a visão bíblica do cristão, quanto introduzem conceitos espiritualistas e equívocos em vários trechos da obra.
    O Autor não é evangélico, não acredita na inerrância bíblica e para a imprensa especializada sua obra é vista como uma introdução ao espiritualismo aqueles que não o conhecem.
   Amado irmão em Cristo Jesus, considere o zelo e o amor em minhas palavras, por favor não se ofenda, mas esteja com seus olhos espirituais abertos e atentos. "Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores. (Mateus 7:15)" 

Postagens mais visitadas deste blog

Papo de Crente: “Morar junto”, sem se casar, é pecado?

Bem, para responder a esta pergunta, de cara gostaria de dizer que não sou muito de ficar apontando para isso ou para aquilo e dizendo se é pecado, ou não. Afinal, pecado significa errar o alvo, que por sua vez representa a pessoa de JESUS CRISTO. Logo, tudo que fazemos que nos afasta dEle é pecado. Certo? Mas, a pergunta acima tem sido recorrente entre vários jovens e por isso optei por este texto. Vamos entender uma coisa, “morar junto” não é o mesmo que estar casado, assim como “ficar” não é namorar e namorar anos sem compromisso não é “noivar”.  Outra coisa é que esse papo de “morar junto” nada mais é do que um jeitinho de se ter relações sexuais, dentro do socialmente correto. Que fique claro que seguir a Cristo é uma coisa simples, mas que sempre envolve decisões difíceis. Entenda isso como a “porta estreita” da qual Jesus nos alertou. Sexo antes do casamento é FORNICAÇÃO! Não entendeu? Eu explico: “Fornicação é o ato ou efeito de fornicar. Ter relações sexuais por puro prazer, p…

Mães de joelho, filhos de pé

Desperta Débora
“Orando por nossos filhos”.
“Desperta Débora é um movimento de oração cujo alvo é despertar mães comprometidas a orar 15 minutos por dia, para que Deus opere um despertamento espiritual sem precedentes na história da juventude brasileira”.

O Desperta, Débora nasceu no coração do reverendo Jeremias Pereira durante a Consulta Global sobre Evangelização Mundial (GCOWE 95), promovido em maio daquele ano em Seul, Coréia. Nesse encontro, a Igreja coreana consagrou cem mil jovens de diversas denominações para a obra missionária. “Era um dia chuvoso e frio, e num daqueles momentos de clamor uma jovem perto de mim estava com a testa no chão. Em oração, ela se oferecia como mártir para que ao menos uma pessoa da Coréia do Norte entregasse sua vida a Cristo. Ao ouvir aquilo chorei como um menino e desejei que algo semelhante acontecesse no Brasil”, lembra Pereira, pastor da Oitava Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte.
Ainda em Seul, ele procurou o pastor Marcelo Gualberto e juntos …